Mãe que dá mamadeira é tão mãe quanto a mãe que amamenta!

Tenho visto mães que não conseguiram amamentar  se sentindo fracassadas ou menos mães que as que amamentam.   Por mais que se dediquem  e deem o melhor de si , sentem  como se estivessem  cometendo um delito.  Além disso, muitas até tentaram amamentar  e só desistiram por querer suprir as necessidades do bebê.

Quero deixar  claro que sou a favor da amamentação, e entendo os benefícios que pode trazer ao bebê, mas nem sempre ela é  a alternativa  mais plausível.

Nas  campanhas  sobre amamentação,    é comum relatar a proximidade entre mãe e filho e o favorecimento do vínculo afetivo. E quando a mãe alimenta com mamadeira também não se desenvolve um vínculo afetivo com o bebê ? Será que a qualidade do vínculo depende mais do  fato de amamentar ou da forma como esta mãe  se relaciona com a criança ?    Ao meu ver, uma das melhores respostas a esta pergunta foi dada pela jornalista Fernanda Gentil, que após sofrer por não conseguir amamentar, passou para a mamadeira e descobriu  que ‘eles também olham no nosso olho e a mãozinha também segura o nosso dedo quando mamam na dedêra”.

Outra questão, é que  as dificuldades da mulheres na amamentação é um tema pouco abordado. ´É como se bastasse a mulher querer amamentar e  o que vemos na realidade não é bem assim.

Há muitos anos atrás, coordenei grupos de gestantes.  No inicio, ao trabalhar o tema amamentação apenas  orientava   os cuidados durante a amamentação.  Depois comecei a perceber que isto não bastava e criei um jogo onde uma parte das mães defendia a amamentação e outra parte acusava.  No começo as que estavam no papel de acusar ficaram muito constrangidas mas depois foram se soltando e expressando os medos e receios que tinham.  Podiam falar , por  exemplo, do medo de rachaduras , do cansaço, de não terem ajuda ou  apoio, da preocupação com o cuidado com outro filho,  e até do  fato de ter que estar disponível o tempo todo.  Podiam então olhar para os medos  e possíveis dificuldades que teriam pela frente. Depois invertíamos os grupos.

Poucas reportagens abordam as  dificuldades na  amamentação. O mais comum é se ver artistas que amamentam   mostrando apenas a satisfação de amamentar.

A   excelente reportagem ‘ Patrulha do peito”  publicada pela Revista da Folha em 2003,  ainda parece bastante atual.  Aborda o mito de que amamentar é fácil : questiona  a relação entre amamentação e desenvolvimento psicológico e também aponta a existência de uma patrulha em relação as mulheres que não amamentam.

Além disto, existem mães que não podem nem tentar amamentar devido a contra-indicação médica.   É o caso das que precisam tomar medicamentos  que fariam mal a criança. a das que apresentam   doenças que podem ser transmitidas ao bebê, como por exemplo, a  Aids.

Não resta dúvida de que  a amamentação traz muitos benefícios para o bebê, mas isto não quer dizer que  um bebê só vai ter um desenvolvimento adequado e saudável se for amamentado.

Feliz Dia das Mâes !

Se quiser deixe seu depoimento pessoal ou opinião.  Obrigada.

Deixe uma resposta