A pessoa com este transtorno apresenta pensamentos e/ou atos repetitivos que não possuem uma justificativa lógica e real.  Por mais que o individuo pense que não existem motivos para tais pensamentos e comportamentos, ele não consegue abandoná-los. Por exemplo,  a pessoa pensa que suas mãos estão sujas e passa a lavá-las inúmeras vezes sem conseguir parar. De maneira geral, ela percebe que isso não faz sentido, mas isso não a impede de imaginar que possa ter ficado alguma sujeira nas mãos e, consequentemente,  continua lavando-as.

Os comportamentos compulsivos mais frequentes são:

  • Relacionados à limpeza
               Lavar as mãos, tomar banho, mania de limpeza
  •  De verificação
               Conferir se fechou as portas e janelas, se apagou as luzes, se desligou o fogo. É  importante ressaltar que   o que torna este comportamento um sintoma do TOC  é a sua frequencia, a falta de controle sobre o mesmo  e o comprometimento da qualidade de vida do indivíduo. Assim sendo, se a pessoa volta para casa para conferir se fechou a porta eventualmente, isso não é TOC, mas se ela frequentemente se atrasa para o trabalho para conferir se trancou a porta e não consegue controlar esse comportamento, este é um sintoma de TOC.
  •  De contagem
                contar os degraus de toda escada que subir, contar  as cerãmicas enquanto anda, os carros que passam ou os quarteirões.
  •  De simetria
              arrumar determinados objetos sempre da mesma forma. Por exemplo, tem que arrumar sempre do mesmo modo a mesa de jantar para que possa comer. Se outra pessoa mexe nas coisas, fica muito irritado e as organiza novamente. Isso também pode ocorrer na arrumação de enfeites em uma estante ou num armário de roupas ou louças.
  •   De  acumulação
               Guardar objetos desnecessários. A pessoa acha que tudo pode ser necessário ou útil no futuro, passando a ter muita dificuldade de se desfazer das coisas. Roupas que não servem mais, papéis inúteis  e outros objetos guardados. Em casos mais graves, a pessoa acumula tanto que chega a não ter espaço para andar dentro da própria casa.

 

Os pensamentos obsessivos mais frequentes são:

  •  De agressividade
               Imaginar cenas de agressão ou até assassinatos.
  •  Sexuais
              imaginar que está sendo traído ou que vai trair, imaginar cenas sexuais com pessoas próximas.
  • De contaminação e limpeza
               imaginar que se contaminou ou contaminou outras pessoas com vermes, vírus, bactérias e que está doente.

 

Essas obsessões e compulsões causam uma angústia enorme ao paciente. Ele tenta lutar contra elas com todas as suas forças, mas não consegue.

Geralmente, os comportamentos compulsivos já constituem uma primeira tentativa do paciente de lutar contra seus pensamentos. Por exemplo, para tentar impedir de pensar que suas mãos estão imundas, ele as lava repetidamente.

Os pensamentos intrusivos que atormentam o portador de TOC, também surgem na mente de todos nós. A  diferença é que normalmente  não nos sentimos tão ameaçados por essas idéias.

É importante salientar que as pessoas em geral também apresentam comportamentos compulsivos, mas num grau que não interfere significativamente em sua vida. No caso dos indivíduos com TOC, esses comportamentos atingem uma frequência alta e comprometem  muito tempo do seu dia. Por exemplo, uma pessoa pode sentir a necessidade de tomar  banho 5 ou 6 vezes ao dia, comprometendo seu tempo de estudo, trabalho, lazer. Algumas pessoas desenvolvem  rituais, em que uma sequência de ações tem que ser realizada rigidamente. Por exemplo, ter que rezar 3 ave-marias, depois tomar banho por uma hora, escovar os dentes por 20 minutos, fazer o sinal da cruz 20 vezes e assim por diante.  A pessoa fica desta forma aprisionada por seu próprio ritual.

O tratamento consiste em acompanhamento psiquiátrico e psicoterapia. Os principais  medicamentos utilizados são antidepressivos.

O transtorno obsessivo-compulsivo atinge todas as faixas etárias, crianças, adultos e adolescentes.